Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Lista de Desejos - Enxoval em Miami

Já escrevi dois posts sobre enxoval em Miami 
Como vou ter que voltar lá, segue a minha lista de desejos, como novidades para o enxoval e outras cositas mais!
Meu desespero é não poder trazer tudo que eu queria, como mini berço, banheira, etc!

Vamos lá:

1) Bomba de tirar leite - Swing Medela

2) Mamadeiras
Li um post ótimo sobre mamadeiras no blog Mamãe Adora.
E escolhi a Dr. Brown. O Leo não usou mamadeira e tive que doar uma coleção de Avent!
Vou tentar outra marca!

3) Bercinho portátil


4) Cadeirinha portátil de alimentação


5) Termômetro de chupeta

6) Roupas - Lista completa - A melhor que encontrei foi no Blog Mãe Preguiçosa

7) Malas
Estou apaixonada pela Rimowa Salsa Air UltraLight.
Além de leve, tem 4 rodas, puxador alto e é rígida!



8) Alfândega e Malas
Importante dica da Paula Laffront: Como organizar as malas


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

FIV - O Resultado

No dia 19 de novembro (D12) acordamos cedo, com a maior expectativa e fomos ao Fleury fazer o beta.
Meu marido estava mais ansioso que eu :)
Tive cólica, seios inchados, humor de TPM, tudo hormonal!
Mas levei a vida o mais normal possível.
Li no Blog de uma garota que na primeira FIV ela ficou de repouso absoluto e na segunda ela saiu da clínica para o churrasco. E obteve sucesso.
Trabalhei normalmente durante os doze dias após a transferência. Só evitei carregar peso.
Às 15h, chegou o email informando que o resultado estava pronto.
Lembrei do meu médico dizendo que qualquer coisa acima de zero é positivo.
Foi 142 ui/L. POSITIVO!
Minha vontade era de comemorar, mas estava no trabalho e não pretendo contar para ninguém até completar 12 semanas e sair da fase de risco.
Meu médico me mandou continuar com a medicação e repetir o exame dois dias depois.
O beta HCG tinha que, pelo menos, dobrar.
Resultado no D14 foi 335,5. Ufa!
Agora é aguardar a consulta no dia 03 de dezembro para descartar a possibilidade de gravidez ectópica.
Até lá, estou lendo um monte de livros, organizando armários e me ocupando o máximo que posso.
Sem falar no sono, que sono!!!

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

FIV - A espera

Depois da transferência fiquei em casa de repouso e procurei ficar de repouso no final de semana.
Mas quem é mãe sabe como é difícil!
Para piorar meu marido teve uma intoxicação alimentar e complicou tudo.
Mas sobrevivi!
A contagem começa novamente no dia da transferência.
Na segunda (D3), voltei ao trabalho como se nada tivesse acontecido. Procurei manter uma alimentação mais saudável e evitar esforço. Mas é complicado. Acho que se eu esquecer é mais fácil.
Acredito que a pior parte é a ansiedade para o Beta.
Meu médico marcou para o dia 19/11. 
Vou esperar....

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

FIV - O desenvolvimento dos embriões e a transferência

Dia 13 (06/11) - Nova consulta e ultrassom. O líquido sumiu e o endometrio estava perfeito. Acho que eu tinha desencanado!
Dos 7 folículos aspirados, 2 estavam vazios e o restante tinha óvulos.
Depois da fecundação, 2 tiveram divisões anormais e não podiam ser transferidos.
Sobraram 3: 1 tipo B e 2 tipo C.
Huguinho, Luizinho e Zezinho

A transferência foi marcada para o dia seguinte.
Comecei a tomar progesterona em gel e adesivo.
Era a véspera do meu aniversário. Fui de taxi, sozinha.
Não levei o marido. Ele estava muito ansioso!
Cheguei as 11h na clínica. Vi uma foto dos embriões e me emocionei!
O médico perguntou: Vamos transferir 2 ou 3 embriões?
Deu um frio na barriga. Mas eu e meu marido pensamos que era a hora de arriscar.
É claro que não serão trigêmeos! Mas se vier gêmeos vai ser legal!
O procedimento é rápido.
É desconfortável ficar com a bexiga cheia. No ultrassom vi a transferência.
É muito legal! 3 pontinhos brancos.
Depois da transferência o médico aplicou crinone e fiquei 30 minutos deitada.
Finalmente esvaziei a bexiga! Que alívio!
O beta Hcg foi marcado para o dia 21/11.
O médico me orientou a ficar tranqüila por 7 dias, não fazer exercício, não pegar peso e não ter orgasmos :))
Peguei o taxi de volta e encarei um mega engarrafamento.
Fiquei de repouso o resto do dia.
Meu marido apelidou os embriões de Huguinho, Luizinho e Zezinho.
Adiei a festa de aniversário, mas os bebezinhos são o meu melhor presente!

FIV - Aspiração


Dia 08 (01/11) - Como foi um sábado, o marido foi na consulta comigo. 7 possíveis candidatos a óvulos, ainda com tamanhos diferentes. A aspiração foi marcada para 04/11. Comprei o Ovidrel. É remédio para impedir que eu ovule antes da hora.

No dia 02/11 fiquei muito nervosa. Esse monte de hormônio me deixou sensível e irritadiça.
Acabei descontando no marido :(
Chorei a tarde toda, lembrei da minha mãe, da minha irmã e do meu irmão que morreram e fiquei super para baixo.
Tive muita cólica e dores horríveis no abdômen.
Tentei buscopan, mas como não resolveu tomei buscofem. Não devia ter feito isso. Esse remédio tem ibuprofeno , que é antiinflamatório e altera o endometrio.
Eu devia ter ligado para o médico.
Nesse pensei que seria minha primeira e última FIV.
O processo é muito desgastante, fisicamente, emocionalmente e financeiramente.

No dia 11 (dia 04/11), acordei as 5am para ir a clínica. De jejum, inclusive de água.
Tive que levar meu filho conosco. Ele fez o maior sucesso.
Ele quer muito uma irmazinha!
Chegando lá a gente preenche um monte de papéis, apresenta os exames e preenche os questionários com nosso histórico.

O procedimento é rápido, mas assim que acordei senti muita dor. Tive que pedir algum remédio.
Depois de medicada a for ainda era leve não consegui dormir.
Troquei de roupa com a ajuda do marido e fui tomar café.
Ele me explicou que tinha um líquido no útero que poderia atrapalhar a transferência e que era para pensarmos em congelamento.
Fiquei arrasada!
Dormi o resto do dia.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

FIV - A Medicação

Quando a menstruação chegou, nós estávamos tão ocupados e cansados que resolvemos adiar a FIV mais um mês.
Pesquisei os preços e compramos os remédios.
Depois de um gasto de 4,5 mil, era um caminho sem volta.

DIA 1
No sábado, dia 25/10, fiz um ultrassom e comecei as injeções de menopur.
As injeções, quando bem aplicadas não deixam marcas. 
Errei algumas vezes e fiquei com a barriga roxa.
Era uma correria de manhã, porque na pressa de sair de casa ainda tinha que fazer as aplicações.
Não tive efeitos colaterais.
Me sentia cansada, mas acho que eu estava cansada mesmo.
E fiquei irritada, como quem está de TPM.
Espero que o esforço valha a pena.
A pior parte foi parar de beber.
Gosto de tomar vinho aos finais de semana, junto com o marido e isso foi difícil.
Mas resisti bravamente!

DIA 4 
Quatro dias depois, 28/10, voltei para um novo ultrassom de acompanhamento.
Meus óvulos tinhas tamanhos diferentes, 3 grandes e 2 pequenos em um lado e 2 grandes e 2 pequenos do outro.
É complicado quando o crescimento é diferente, porque só os maiores interessam.

DIA 6
Dois dias depois voltei para outro ultrassom. Acrescentei o Orgalutran.
Meus seios ficaram sensíveis.
Não contei para ninguém que estava fazendo a FIV.
Estou fazendo muitas pesquisas no Google.
Li muitas histórias de quem não conseguiu.



FIV - Fertilização in Vitro - A Decisão

Depois de descobrir que eu não conseguiria engravidar normalmente, adiei por mais de 2 anos a decisão de fazer a FIV.
Tive uma gravidez ectópica (nas trompas) em janeiro de 2012 e aderência na outra, causando um obstrução irreversível.

Na consulta com o médico descobri que eu estava lutando com o relógio.
Tenho 41 anos, um filho lindo de 5 anos e uma grande vontade de ter um segundo bebê.

Falamos sobre tudo, sobre riscos, gêmeos , chances, exames, síndrome de down, custos e saí de lá com uma lista de enorme de exames para o casal.

Demorou 2 meses para realizamos todos.

Com tudo pronto, na segunda consulta, descobrimos que a minha chance de engravidar com meus próprios óvulos era pequena, e tinha que ser urgente.
Recebi uma lista de remédios para comprar e quando a minha próxima menstruação chegasse, eu deveria ligar para o médico e começar as injeções.
Senti um frio na barriga e saímos de lá decididos.
O custo ia ser alto, entre 15 e 17 mil reais.
Se houvesse a necessidade de congelamento dos embriões, mais 2 mil reais e uma taxa de descongelamento.

A opção inicial era sem congelamento, para aumentar as chances.





quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Babá folguista

Quando a gente tem uma carreira e a jornada tripla (mãe, esposa, amiga), a vida fica complicada.
E por mais legal que meu filho seja, tem lugares que não apropriados para ele, como almoço de negócios, lojas de material de construção, salão de beleza, etc...

Assim, sempre que isso acontece, uso o serviço de babá folguista.

Desenvolvi, após muita experiência, um modelo que tem sido bom para minha família.

Antigamente contratava babá para o final de semana inteiro, mas meu marido reclamava que a babá que dorme tirava a privacidade (e eu concordo. E ainda trabalho tanto que me sinto culpada em ficar pouco tempo com meu filhote.

Então contrato babás para trabalharem de sexta - 20h até domingo bem cedo - 7h.
São poucas horas, mas que me permitem ter 2 noites de folga e o sábado quase todo para resolver coisas.
As vezes quero só dormir :)

O modelo tem funcionado porque procuro pessoas mais velhas (acima de 30 anos), que são mais responsáveis e com mais iniciativa.
E, preferencialmente, busco professoras das creches municipais. 
O salário como folguista complementa a renda e é bem menos cansativo. E elas ainda descansam domingo.

Como é um serviço com data de validade, deixo isso bem claro. Não passo mais do que 6 meses com elas. 

Deixo claro algumas coisas:
1) Quando receber visitas com filhos, elas devem cuidar deles (ou pelo menos ajudar)
2) Quando visitamos amigos com filhos, elas também devem ajudar.
3) Quando fazemos festas, elas devem preservar a rotina da criança (banho, refeições, hora de dormir).
4) Quando viajamos, elas devem se adaptar ao local, e procurar ajudar.
5) Só trabalho com pessoas sorridentes. Cara feia para mim é pedido de demissão.
6) Uniforme é bom para todo mundo.

Sou generosa sempre que posso, dou presentes, gorjetas, etc e gosto de ser bem tratada.
Desse jeito todo mundo é feliz. E sempre que encerramos nossos contratos continuamos numa boa e sei que posso contar com elas sempre que precisar, principalmente naquelas emergências de última hora.





terça-feira, 28 de outubro de 2014

Festa de Super Heróis


Festa de 5 anos











Ficha Técnica

1. Local:
Salão de Festas

2. Convites
Quebra-cabeça
Vania do Carmo PadialLovely Party Convites
www.lovelypartyconvites.com
vania@lovelypartyconvites.com
(11) 99282-6272

3. Mesa, balões, centro de mesa
Farolita Decorações
http://farolitadecoracoes.blogspot.com
Taís - 2495-0752

4. Buffet
Abelinha
Luciana Oliveira
Buffet Abelhinha
Tel:(11) 2673-4319
Cel:(11) 98232-8610

5. Cupcake
Bete Martins
http://www.facebook.com/ccake.mariacozinha
http://www.cupcakemariacozinha.blogspot.com
http://www.mariacozinha.blogspot.com

6. Animação
Turma Da Alegria
Alessandro - 947166949
Juliana - 947249822
Daniela Corbett
Tel. (11)3062 1539 / 97699 5138
www.showdaliga.com.br
https://www.facebook.com/SuperAmigosLigaDaJustica

8. Capa de super heróis e máscara
Faísca e Fiasco
faiscaefiasco.blogspot.com

9. Lembrancinhas
Mochilas temáticas
Bolsas Ronadany
www.bolsasronadany.com.br
(21) 3091-8638

10. Camisetas Avengers
Camisetas SA
MARIA JOSÉ FIOREZI CHAIN ME
camisetassa@gmail.com
(17) 33613271

Cartas Pokemon - Curso rápido para mães

No meio do ano comecei a viver uma experiência diferente: os amiguinhos do meu filho começaram a colecionar cartas pokemon. Nem sabia que isso existia, para mim era só um desenho cujo ator principal era o Pikachu.
Totalmente desinformada, eu não sabia onde vendia, como colecionava e etc.
Fui fazer consultoria com uma amiga/vizinha que tem um filho mais velho, com 7 anos. 

Descobri que se trata de uma "batalha" com regras tipo "super trunfo".
Como meu filho acabou de fazer 5 anos, ele é apenas um colecionador.
A coleção (por assim dizer) começou com um monte de cartas repetidas que ele ganhou de presente de um amiguinho, incluindo um Pikachu, que eu erroneamente achava que era poderoso.

Com  a proximidade do aniversário, outras cartas chegaram para aumentar a coleção. Ele também ganhou um álbum, muito lindo por sinal, com plásticos para guardar as cartas.

Quando for comprar, preste atenção nos tipos.
Pode-se optar por cartas separadas, chamadas Cartas X ou comprar packs que vem com 5 cartas. Na versão em inglês vem com 10. Tem um kit com 1 carta gigante, 1 miniatura e 3 packs e outros kits específicos para batalha, que vem com cartas repetidas.

Mas como organizar um álbum pokemon?

Separe as cartas por tipo:
1 - Raras
2 - Comuns
3 - Treinador
4 - Energia

Como saber se uma carta é rara?



No rodapé direito de cada carta tem um símbolo que indica a coleção, o número da carta dentro da coleção xx/yyyy, e uma estrela ou uma bola.
Bola são cartas comuns. Estrela são cartas raras. A regra básica é só trocar raras por raras e comuns por comuns.
O número que existe no canto superior da carta está relacionado ao jogo.
O ideal é agrupar as cartas por coleção. Fica até mais fácil de encontrar.

Como o meu filho é pequeno, não deixo ele sair com o álbum de casa. 
Dica: Para trocas, comprei outro álbum, onde ele coloca todas as cartas repetidas, seguindo a mesma organização do outro. Esse, com a supervisão de um adulto, pode ser levado para fora :-)

Mas todas as trocas devem ser supervisionadas. Já vi muitas mães batendo boca por causa de cartas pokemon. E quando a criança é pequena ela pode ser facilmente enganada!.

Mais informações:

www.brincamundo.com
Rua Pintassilgo, 421 - São Paulo