Pesquisar este blog

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Estar grávida

 

A gravidez para mim foi maravilhosa: eu não tive enjôos, indisposição, desejos absurdos, nada...
A única coisa que eu senti foi sono, mas considerando que eu sempre fui dorminhoca, isso não fez muita diferença :)
O mais legal de "estar grávida" é o tratamento especial que as pessoas dão a você. De repente, todo mundo te cumprimenta, pergunta sobre o bebê, fala do tamanho da barriga, dão conselhos e etc. É muito legal se sentir "especial".
Eu, particularmente, sempre odiei grávidas, achava a barriga feia, o corpo desforme e costuma brincar com minha amiga Júlia dizendo que grávidas parecem sapos que ficaram em pé...
Confesso que tinha vergonha do meu corpo, apesar de ter engordado apenas 11,5 Kg em toda a gravidez! As roupas não serviam e eu ficava com pena de comprar roupas novas para usar tão pouco tempo. Mas não teve jeito; fui as compras. Descobri, sem querer, uma loja fashion no Bom Retiro, na Rua dos Italianos, bem atrás da famosa José Paulino. A loja fica de roupas chama Menina e Meninas e fica ao lado de uma loja de bebês. As roupas são lindas, com muitas opções para a grávida se sentir bem com o corpo. Foi a minha salvação.
Quanto a "percepção" da gravidez, eu só me senti grávida de verdade aos 5 meses, quando a barriga ficou enorme e eu comecei a sentir os mevimentos do bebê. É uma sensação estranha saber que ter um ser vivo dentro de você. Minha amiga Tati em disse que as pessoas acham a gravidez divina, algo sagrado, e ela se sentia mais como naquele filme Alien, o oitavo passageiro :) tenho que concordar com ela !!!
Existem inconvenientes na gravidez, como a vontade de ir ao banheiro toda hora e o cansaço para fazer algumas atividades. Eu me sentia bem disposta até o sexto mês. No sétimo eu já não mais a mesma pessoa... e tinha tantas coisas para resolver antes do bebê nascer....
Acho que a pior parte da gravidez e o fato de não poder viajar de avião depois do sexto mês. Estive em Brasília nessa época e quase não pude embarcar para voltar a São Paulo. Assinei muitos papéis antes de entrar no avião. O texto é bastante intimidador !!!
No final da gravidez, a pior parte é não conseguir dormir direito por vários motivos: o bebê mexe demais, dá vontade de ir ao banheiro, é difícil encontrar uma posição agradável para dormir, etc...
Mas, resumindo, eu gostei muito de estar grávida!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O chá de bebê

Como eu falei, sou de Brasília e minha família e amigos são de lá.
Estou a pouco tempo em São Paulo e fiquei sem graça de fazer uma chá de bebê com os colegas do escritório e os amigos do meu marido.
Estão resolvi pular essa parte.
Uma colega me deu uma grande ajuda com uma lista enorme da Alô Bebê (www.alobebe.com.br). Ela me deu várias dicas do que era importante e do que poderia esperar.
Também tive ajuda para escolher as roupas. Fui em duas lojas: na própria Alô Bebê e no Brás. As roupas no Brás tem um preço ótimo, cerca de 40% a menos que no shopping e de marcas muito boas.
E por falar nisso, eu ainda estou aprendendo sobre marcas para bebês: mini-noruega, tip-top, chicco, bicho molhado, puc, etc...
Pra ser bem sincera eu nunca tinha ouvido falar de nenhuma delas.
Aqui estão algumas dicas:
  1. O Bebê cresce muito rápido, então compre poucos exemplares de RN (Recém Nascido)
  2. Compre várias marcas de fraldas para testar: o bebê pode ter alergia a algumas marcas.
  3. Fique de olho na estação que o bebê vai nascer. Como eu fiz compras em julho, estava muito frio e eu só queria comprar roupas de plush. O bebê iria nascer na primavera, com o tempo bem mais quente e as roupas deveriam ser mais leves.
  4. A mesma dica vale para os tamanho maiores. As roupas tamanho M seriam usadas no verão e deveriam ser mais leves e sem manga.
  5. Veja se os bordados são forrados por dentro, senão podem arranhar o bebê, ou pior, ter que ser usado com um body por baixo.
  6. Pergunte se após lavar o tecido desbota ou dá bolinha. As roupas ficam feias demais...
  7. Não compre sapatos. os bebês não andam e usam mais meias do que sapatos. Pode ter um ou dois para ficar bonito na foto.
  8. Lembre-se que o bebê recebrá muitos presentes, inclusive roupas, então não exagere!

O Quarto do Bebê - Making of

O primeiro passo medir o quarto. Descobri que não cabia nada que eu queria porque o espaço é muito pequeno. Para piorar coloquei na cabeça que precisava de uma cama para babá (não sei porque, pois eu nem tinha babá). Então resolvi inverter uma porta para ampliar o quarto.
Depois foi a a escolha do papel de parede. Acabei comprando na Decorita da Alcântara Machado. A vendedora foi super legal. O nome dela é Elisângela (www.decoritababy.com.br).
Depois escolhemos o tema: Cachorros. Eu já tinha dois gatos Ragdolls e meu marido ama cachorros e para equilibrar a disputa o quarto tinha que ter cachorros. Olhamos várias revistas e escolhemos colocar ninhos redondos com cachorros de pelúcia dentro.
 
Escolhi o berço de acrílico e a poltrona de amamentação da loja Cadê o Nenê  (www.cadeonene.com.br). Apesar de lindo, no verão descobri que o berço é muito quente e sem ventilação. Tem outro problema: o berço é muito alto e às vezes colocar o bebê lá dentro requer um banquinho....


 
Acrescentei também uma cômoda pequena, da mesma loja, com gavetas e um trocador. No alto colocamos uma prateleira com porta-fraldas e cabides.
Na parede acrescentamos biscuis de uma profissional super talentosa, indicada pela Decorita.

O jogo de berço, cortinas, sacos, cestos, porta da maternidade e luminária foram comprados na Allegrini (www.allegrinibaby.com.br).
 
Deu trabalho, mas o resultado final foi maravilhoso! Como eu passo muitas horas dentro do quarto do bebê amamentando, é muito bom estar num lugar tranquilo e bonito. E o mais importante: feito com muito carinho!